ARTE E POLÍTICA NA AMÉRICA LATINA

Arte e Política na América Latina

A América Latina são muitas. Composta por vinte países, com as mais diversas culturas, que tem um comum um passado colonial. Atualmente configurada por descendentes dos diversos povos originários, das pessoas escravizadas, dos invasores europeus e das migrações do século XX é um território híbrido que em sua própria denominação “América Latina” já trás as contradições e mazelas de seu processo histórico. Porque adotamos um nome que homenageia um conquistador europeu para este território? Aceitar essa denominação não seria também incorporar a dinâmica colonizadora e negar as populações que estavam aqui antes das invasões? Deveríamos rejeitar os vocábulos “América” e “Latina”, uma vez que ambos derivam da lógica colonizadora europeia?

Aqui o fim do colonialismo não significou o fim da colonialidade, sendo que o colonialismo é a dominação dos territórios e a colonialidade a colonização do imaginário e do saber. Uma estrutura que permanece através do tempo e impacta na maneira como esse lugar enxerga a si mesmo, e como reproduz as práticas de dominação e exploração. A crueldade de nossa história não se manifesta somente nos violentos processos que exterminaram em massa povos indígenas e escravizaram africanos, mas se enraíza no campo da cultura na medida em que se naturalizam narrativas hegemônicas que não levam em conta a cultura de diversos povos que ainda sobrevivem nesse território e reforçam o racismo estrutural presente em nossa sociedade. Além de criar uma dinâmica de exclusão e invisibilização destas vozes e as mantém nas margens do discurso oficial e impedem assim os a criação de um campo crítico que impacte na realidade política.

No campo da cultura, a arte sempre exerceu um papel importante no imaginário social e político, ao estar do lado das estruturas de poder, como o estado e a igreja, mas também junto aos processos de afirmação cultural, tradição e movimentos de resistências. A arte e a cultura ocupam um lugar importante no cotidiano, desde as práticas estéticas ritualísticas das culturas tradicionais até mesmo às práticas artísticas contemporâneas institucionais, que afirmam o campo da arte como um campo de disputa simbólico associado às práticas políticas.

Neste curso pretendemos criar um espaço para a discussão do papel da arte na América Latina, levando em conta o caráter híbrido, multicultural e político destas produções. Para isso pretendemos abarcar a natureza múltipla das maneiras de se fazer, ver e divulgar a arte em nosso território, através de diferentes olhares e suas relações com as dinâmicas de resistência e poder. Por isso teremos uma série de aulas que irão abordar a história da América Latina e as influências indígenas, africanas e europeias na nossa cultura e na nossa arte para também apontar caminhos para uma prática contra-colonial no campo da arte e da cultura. Para compor esta proposta convidamos artistas, pesquisadores, curadores, cientistas políticos e historiadores para nos ajudar a montar uma parte do quebra-cabeça no qual há uma imagem de América Latina vista pelo ponto de vista da cultura e através de um debate crítico discutir nossos desafios e sonhos para o futuro.

8 Vídeo Aulas

Ficha técnica:

Coordenação: Brígida Campbell e Bruno Vilela

Professores: Heloisa Starling
Maria Angélica Melendi
Gersem Baniwa
Paulo Nazareth
Juan Angola Maconde
Grabriela Pellegrino
Brígida Campbell

Vídeos e edição: Bruno Vilela
Traduções e Legendas:  Renan Camilo
Projeto Gráfico: Brígida Campbell
Gestão do projeto: Sinergia