MUROS

Territórios Compartilhados

Muros: de barreira a acesso, de limite a suporte

O muro é uma construção, uma parede mais ou menos alta e geralmente espessa, de pedra, cantaria, alvenaria, etc., usado para cercar determinada área, servindo-lhe de proteção e/ou como divisa com relação ao exterior.

Os muros são utilizados desde a antiguidade para defender e proteger as cidades e, ainda hoje, nos grandes centros urbanos, têm a função de separar um espaço do outro, estabelecendo um limite e demarcando um território, tornando-se, muitas vezes a fronteira entre o espaço público e o privado. Constituem-se como barreiras para a circulação das pessoas no espaço urbano, além de delimitar o olhar dos transeuntes.

Por outro lado, os muros são, muito comumente, utilizados como painéis para os mais diferentes tipos de ocupação, seja como dispositivo para propagandas, seja por artistas de rua. Esse tipo de ocupação acaba por transformar os muros em espaços de trocas simbólicas na cidade.

É nessa ressignificação dos muros como suporte para a mediação simbólica que esse projeto se baseia. Historicamente, as artes sempre estiveram presentes no espaço público. A arte nos muros é, portanto, uma experiência antiga nos centros urbanos e uma possibilidade concreta para promover o contato dos cidadãos com o universo das artes visuais. Apesar disso, as manifestações mais contemporâneas de ocupação artística em muros têm se restringido ao grafite e, mais recentemente, aos stickers. O que se pretende com o Muros: Espaços Compartilhados é ampliar a utilização do suporte muro para outras linguagens da arte contemporânea como a instalação, performances, projeções, entre outras.

A produção artística muitas vezes se limita aos espaços intramuros, está em locais de acesso restrito. Assim, de forma geral, a população acaba por ter pouco contato com as artes visuais. A proposta deste projeto é exatamente transformar essa barreira em acesso. As artes visuais restritas aos espaços internos das galerias e exposições irão ganhar as ruas, tornando-se acessíveis a todos aqueles que circulam por espaços públicos da cidade. Dessa forma, o contato cotidiano com obras artísticas espalhadas em muros contribuirá para provocar e estimular os transeuntes a conhecer mais sobre essas produções, aproximando a população das artes visuais.