DEDETIZAÇÃO PB.2T – Paulo Bruscky

Estendendo-se por inúmeros espaços da cidade a exposição “Dedetização PB2T” do artista pernambucano Paulo Bruscky ocupará o EXA a partir do dia 24 de novembro.

Desde os anos 1960 Paulo Bruscky elabora ampla pesquisa transitando com desenvoltura entre diversificadas linguagens como a poesia visual, o poema-processo, a poesia sonora, a videoarte, o super-8, a artdoor e a arte- correio. Em seu extenso “banco de ideias” possui ainda projetos de performances, instalações, intervenções urbanas, vídeos e distintas linguagens multimídia. Sem dúvida alguma, meios e técnicas não definem sua prática artística, tão vasta quanto múltipla.

Sob curadoria de Marconi Drummond, parte deste vasto repertório artístico comporá o programa expositivo preparado para o EXA e para algumas áreas urbanas da cidade de Belo Horizonte. A exposição está organizada em duas etapas constituídas de performances, vídeos e dispositivos gráficos (arte postal, poesia visual, cartaz, livros de artista, carimbos, postais e impressos).

Algumas produções inéditas foram desenvolvidas especialmente para o EXA como a performance “Escadas” (2010). A partir de 3 rotas pré-determinadas 6 pessoas carregam pelas ruas da cidade 3 escadas de cores diferentes. Esta obra presta homenagem a Aarão Reis, engenheiro-chefe da comissão construtora responsável pelo projeto urbanístico de Belo Horizonte e as etnias indígenas que nomeiam parte das ruas da capital mineira.

Articulados pela proposta do artista pioneiro da arte-correio no Brasil um grupo de interlocutores convidados, de distintas áreas de atuação, estabelecerão, junto com o artista Paulo Bruscky, uma rede de correspondências intercidades Recife/Belo Horizonte. A medida que os diálogos gráficos forem estabelecendo-se o resultado será apresentado no espaço EXA.

Já a performance “Jogo-performance” (1970/2012) ocupará o campo de futebol da barragem Santa Lúcia, espaço a ser ocupado e ativado simultaneamente por 22 times formados por 1 jogador.

A performance “O meu cérebro desenha assim” (1976/2012) será partilhada com o artista Guilherme Cunha. Realizada ao vivo no espaço EXA, a dupla utilizará no seu experimento artístico um equipamento de eletroencefalograma para estabelecer um diálogo de impulsos cerebrais.

Por último o EXA exibirá uma mostra de videoarte onde o público poderá assistir uma seleção de filmes experimentais elaborados pelo artista desde a década de 1970, com distintos meios e técnicas, a maioria produzida em super-8, entre eles “Via crucis” (1979), “Composição nos fios-partituras mutantes” (1979), “Poema” (1979) e “Xeroperformance” (1980).

_PROGRAMA EXPOSITIVO “Dedetização PB2T”

1ª ETAPA:
dia 24 de novembro

– Mostra de vídeos Paulo Bruscky
– Performance “O Meu Cérebro Desenha Assim” ou “Diálogo neural”
Paulo Bruscky e Guilherme Cunha
– Performance “Jogo-performance”
– Performance “Escadas”

 

 

2ª ETAPA:
dia 8 de dezembro

_SOBRE O ARTISTA PAULO BRUSCKY 

A obra do artista multimídia e poeta Paulo Bruscky opera à margem do sistema tradicional da arte, empregando diversificados métodos de multiplicação da imagem como o xerox, o carimbo, o fax. Utiliza em sua construção materiais de descarte, impressos obsoletos e dispositivos de reprodução gráfica. O artista é um atento observador da cidade apropriando-se do espaço urbano.

Na década de 1960 o artista inicia pesquisa no campo da arte conceitual, e a partir de 1970 desenvolve pesquisas em arte-xerox. Em 1973, atua no Movimento Internacional de Arte Postal, sendo um dos pioneiros no Brasil nessa arte, e no ano seguinte lança o “Manifesto Nadaísta”. Organiza duas exposições internacionais de arte postal no Recife nos anos de 1975 e 1976, sendo esta última fechada pelos militares brasileiros. Realiza 30 filmes de artistas e videoarte entre 1979 e 1982, e começa a produzir videoinstalações em 1983. Cria, em 1980, o xerox-filme com base em sequências xerográficas. Com a Bolsa Guggenheim de artes visuais recebida em 1981, reside por um ano em Nova York. Nesse ano, expõe na sala especial sobre arte postal montada na 16ª Bienal Internacional de São Paulo. É editor de livros de artistas e mantém em seu ateliê no Recife importante coleção de livros e documentos sobre arte contemporânea, entre eles correspondência com integrantes dos grupos Fluxus e Gutai.

Paulo Bruscky nasceu em 1949, em Recife, onde reside e produz. Participou das 16ª, 20ª, 26ª e 29ª edições da Bienal de São Paulo, Brasil (1981, 1989, 2004, 2010); da 10ª Bienal de Havana, Cuba (2009), entre outras bienais, além de coletivas como Trienal Poli/Gráfica de San Juan, Porto Rico (2012); Sistemas, Acciones y Procesos, na Fundación Proa, em Buenos Aires, Argentina (2011); Cine a Contracorriente, no Centro de Cultura Contemporánea de Barcelona, Espanha (2010); e Panorama dos Panoramas, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, Brasil (2008). Suas mais recentes mostras solo são: Arte Correio, no Centro Cultural dos Correios, em Recife (2011); Paulo Bruscky – Uma obra sem original, no Museu de Arte da Pampulha, em Belo Horizonte (2010); e Poiesis – Contexto e Limiar, na Galeria Nara Roesler, em São Paulo (2009), todas no Brasil. Possui obras integradas a vários acervos como os de: Tate Modern, em Londres, Reino Unido; Museu de Arte Moderna de São Paulo e Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, ambos no Brasil; Museu d’Art Contemporani de Barcelona, Espanha; Museu de Arte Moderna de Amsterdã, Holanda, entre outros.

UA-28532263-1